gtag('config', 'AW-744083149');
 

Blog

Saúde sempre em primeiro lugar

  • Dr Antonello

"Será que a minha cólica é endometriose?"


Você anda sentindo muitas cólicas durante o período menstrual e dores durante as relações sexuais? Talvez você esteja com endometriose! Esse post é dedicado para explicar o que é essa doença, quais os principais sintomas, fatores de risco, como diagnosticar e como tratá-la. Vamos lá?!



O QUE É ENDOMETRIOSE?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endometriose, a Endometriose é uma inflamação provocada por células do endométrio (tecido que reveste o útero), na qual uma das teorias argumenta que, em vez de serem expelidas durante a menstruação, migram no sentido oposto.


Em algumas situações, este tecido, além de ser eliminado em forma de menstruação, volta pelas trompas, alcança e se deposita na cavidade pélvica e abdominal, formando a doença que, por vezes, é de carácter crônico e progressivo.


A doença pode acometer diversos órgãos da pelve, como os ovários, as tubas, superfície do útero e órgãos não ginecológicos, como o intestino, a bexiga e os ureteres. essa alteração é responsável por grande parte dos sintomas.


A endometriose é uma doença mais comum do que você imagina, os estudos apontam uma prevalência de até 20% das mulheres em idade reprodutiva e de 30 a 50% das mulheres inférteis que apresentam endometriose. Porém, a doença demora de 8 a 10 anos para ser diagnosticada.


Abaixo você pode conferir uma imagem que mostra os principais focos de endometriose no útero:





QUAIS OS PRINCIPAIS SINTOMAS?

Os principais sintomas da endometriose são:


- Dor em forma de cólica durante o período menstrual que pode incapacitar as mulheres de exercerem suas atividades habituais;

- Dispareunia, dor durante as relações sexuais;

- Dor pélvica;

- Infertilidade.


FATORES DE RISCO?

A principal causa é a menstruação, quanto mais ciclos menstruais a paciente tiver, maior o risco de ter a doença. Porém, ainda não existe compreensão completa sobre a origem da endometriose. Sabemos que existem uma série de fatores imunológicos, genéticos, fatores de crescimento e alterações enzimáticas envolvidas que tornam o endométrio de pacientes portadoras mais susceptível ao desenvolvimento da doença.



COMO DIAGNOSTICAR?

Ressonância magnética voltada para endometriose, é um dos exames utilizados diagnosticar. Porém, apesar desse exame apresentar boa acurácia no diagnóstico da endometriose, a videolaparoscopia com biópsia das lesões para análise anatomopatológica ainda é o padrão-ouro no diagnóstico da endometriose. A videolaparoscopia, consiste em um procedimento cirúrgico minimamente invasivo.


QUAL O TRATAMENTO DE ENDOMETRIOSE?

A endometriose é uma doença que pode ter várias apresentações, portanto o tratamento é individualizado. O tratamento pode ser medicamentoso ou cirúrgico por videolaparoscopia, ou ainda a combinação desses, e deve levar em consideração a gravidade dos sintomas, a extensão e localização da doença, o desejo de gestar, a idade da paciente, os efeitos adversos dos medicamentos, as taxas de complicações cirúrgicas e os custos.



É POSSÍVEL PREVINIR A ENDOMETRIOSE?

Infelizmente, não existem comprovações científicas de ações específicas que podem auxiliar na prevenção da endometriose. O que pode trazer impacto na evolução de uma endometriose é a idade da primeira gravidez e o número de gestações da mulher. Ou seja, mulheres que não têm filhos apresentam um risco maior de desenvolver a doença.


Apesar de ser uma doença crônica, as pacientes que seguem de maneira correta as orientações médicas, conseguem ter uma vida tranquila, sem dores. É importante sempre manter o médico em contato sobre qualquer alteração que sentir.




FONTE:


https://www.sbendometriose.com.br/entenda-a-doenca-o-que-e

https://santajoana.com.br/centro-de-endometriose/

https://revista.unifagoc.edu.br/index.php/saude/article/view/368

https://www.scielo.br/pdf/rbgo/v32n6/v32n6a08.pdf