QUEM SOMOS?

Clínica de cirurgias gerais e oncológicas com médicos especializados em cirurgias de baixa, média e alta complexidade.
Realiza tratamento de hérnias, doenças do aparelho digestivo e procedimentos oncológicos.

INFORMAÇÕES DE CONTATO
  • Endereço: Av. Dr. Maurício Cardoso, 931 – Sala 11,
    Centro Arcobaleno, Hamburgo Velho - Novo Hamburgo - RS
  • Telefones: 51 3239.0870 / 3239.0871
  • WhatsApp: 99310.6562
51 3239.0870 / 3239.0871 / 99310.6562

Câncer de pâncreas: saiba mais sobre a doença

Câncer de pâncreas: saiba mais sobre a doença

Perda de apetite e de peso e dor abdominal são alguns dos sinais de alerta do câncer de pâncreas, doença que se atinge a cabeça do pâncreas provoca icterícia, deixando a pele e os olhos amarelados.

No mês passado, o jornalista e apresentador de televisão da RECORD, Marcelo Rezende revelou estar com câncer no pâncreas e no fígado. De acordo com o INCA - Instituto Nacional de Câncer José Carlos Alencar, os tumores de pâncreas mais comuns são do tipo adenocarcinoma (que se origina no tecido glandular), correspondendo a 90% dos casos diagnosticados. 

Segundo o Cirurgião Oncológico, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, Carlos Antonello, o tabaco aparece como principal fator de risco para o surgimento da patologia. "Fumantes possuem três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes, sendo que quanto mais tempo manter o hábito, maior é a chance de desenvolver a doença", afirma.

Antonello alerta também que o câncer de pâncreas pode estar relacionado ao consumo excessivo de gordura, carnes e bebidas alcoólicas. A exposição a compostos químicos, como solventes e petróleo, durante longo tempo, também pode ser uma das causas. "De forma geral é fundamental manter bons hábitos de vida, como alimentação equilibrada, atividade física frequente e moderada e realização de exames de rotina para prevenção e diagnóstico precoce de qualquer patologia", conclui.

Segundo dados do INCA, a localização do pâncreas, na cavidade mais profunda do abdômen, atrás de outros órgãos, prejudica a detecção do tumor, que em geral acontece tardiamente. 
Entre os exames que podem ser solicitados estão os de sangue, fezes, urina, ultrassonografia abdominal, tomografia, ressonância nuclear de vias biliares e da região do pâncreas.